sábado, 13 de abril de 2019

Uma nova luz na Jihad Islâmica

[A jornada de um erudito muçulmano para fora do Islã – parte 4]
Por Mark A. Gabriel
Você pode ler os detalhes da prisão nos meus livros anteriores. Deixe-me apenas dizer que experimentei uma tortura amena em comparação a outros presos que caíram nas prisões do Egito. Por exemplo, meu amigo Kamal ficou um ano preso. Eu fiquei lá apenas duas semanas.
Após a pessoa ser torturada numa prisão Egípcia, ou ela sai duvidando do que acredita ou perigosamente endurecida contra os poderes do governo. Sai da prisão emocionalmente abalado e completamente desgostoso em como o islã estava sendo praticado. Eu não tinha mais nada a ver com o islã. O que eu queria encontrar era o Deus verdadeiro do céu.
Depois de um ano, me peguei lendo o Novo Testamento da Bíblia pela primeira vez. Vi as palavras de Mateus 5:38-39:
Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mau; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; Mateus 5:38,39
Todo o meu corpo começou a tremer ao mesmo tempo em que via nestas palavras o Deus do Céu. Elas eram palavras verdadeiras. Sem persuasão de nenhum Cristão, monge, missionário, eu disse em meu coração, Eu Sigo a Jesus Cristo.
A medida que lia mais da Bíblia nas semanas que se seguiram, me lembrei da cópia de Constituição de Al-Jihad (que havia guardado escondido em meu quarto todo esse tempo). Minha mente estava explodindo com as diferenças entre essas duas filosofias. Munido com minha bagagem acadêmica, fiz o que veio naturalmente: coloquei os dois manuscritos lado a lado e escrevi um livro sobre eles.
Nesse tempo eu estava recebendo mentoria de dois monges da igreja Egípcia. Dei a eles minha cópia de Constituição de Al-Jihad e o livro que havia escrito sobre ele. Eu queria que eles vissem o tipo de filosofia que estava circulando em todo o país.
Menos de um ano depois, (em 1994), fui forçado a deixar o Egito permanentemente, e deixei o manuscrito para trás. Presumi que era a última vez que veria uma cópia de Constituição de Al-Jihad.
Fonte:
GABRIEL, Mark. A. Journey into the mind of na Islamic Terrorist: Why they hate us and how we can change their minds. Lake Mary, Florida: Frontline, 2006, pp. 12-13
Tradução Walson Sales.

Nenhum comentário:

Postar um comentário