segunda-feira, 6 de maio de 2019

A Teoria do Corpo Roubado


Esta é a teoria mais antiga. Foi divulgada no dia da ressurreição. Apesar dos discípulos terem fugido e estarem com medo, os judeus divulgaram que os discípulos roubaram o corpo. Ainda mais constrangedor é o fato de nenhum discípulo ter sido julgado por essa acusação. Existem ainda outros problemas que precisam ser resolvidos. O primeiro era a pedra colocada na entrada do túmulo. O segundo era o selo romano selando oficialmente a pedra. O terceiro era a guarda romana posta para guardar o túmulo. Parafraseando Mateus 28. 11-15, as coisas aconteceram assim: Após o evento da ressurreição, alguns da guarda do sepulcro correram a Jerusalém e contaram o que havia acontecido. Os principais dos sacerdotes deram dinheiro aos soldados para que eles dissessem que os discípulos roubaram o corpo do Senhor. Receberam dinheiro por isso, e era a corrente divulgada na época dos fatos. Mas eles não podem ignorar estes fatos presentes no relato:
A Pedra. “E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro, de manhã cedo, ao nascer do sol. E diziam umas às outras: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro?” (Marcos 16.3).
O Selo. Após a pedra, o selo romano aparece nestes termos, conforme Mateus 27.66 afirma: "Indo eles, montaram guarda ao sepulcro, selando a pedra e deixando ali a escolta".
A Guarda do túmulo. Este seria o maior empecilho aos discipulos: vencer uma escolta romana fortemente armada. Sofrendo o impacto psicológico, Cristo estava morto; sofrendo um impacto emocional, eles estavam apavorados. A evidência interna do NT lança luz ao arcabouço histórico:
Mateus 27:62-66 diz: "No dia seguinte, que é o dia depois da preparação, reuniram-se os principais sacerdotes e os fariseus e, dirigindo-se a Pilatos, disseram-lhe: Senhor, lembramo-nos do que aquele embusteiro, enquanto vivia, disse: Depois de três dias ressuscitarei. Ordena, pois, que o sepulcro seja guardado com segurança até ao terceiro dia, para não suceder que, vindo os discípulos, o roubem, e depois digam ao povo: Ressuscitou dos mortos; e será o último embuste pior que o primeiro. Disse-lhes Pilatos: Aí tendes uma escolta; ide e guardai o sepulcro como bem vos parecer. Indo eles, montaram guarda ao sepulcro, selando a pedra e deixando ali a escolta".
Para afirmar que os discípulos roubaram o corpo de Jesus, o oponente terá que lidar com esses três fatos do sepultamento. Apesar de estarem amedontrados, eles teriam que enfrentar uma guarnição romana especializada em batalha corpo a corpo, sendo os soldados romanos da época uma máquina mortífera de guerra. Afirmar que homens simples e sem treinamento passaram por essa barreira é uma irresponsabilidade. Além do mais, os romanos tinham um estrito senso do dever e caso fossem pegos dormindo em serviço, eles poderiam ser julgados e sentenciados à morte. Para os discípulos roubarem o corpo de Jesus, eles teriam que ter rompido o selo do governo romano. Romper o selo era desafiar a autoridade romana e assinar a sua própria sentença de morte. Como foi mencionado, nenhum discípulo foi julgado por esta acusação. Por último temos a pedra de cerca de duas toneladas e meia. Estamos diante de um mundo de impossibilidades.
By Walson Sales.

Nenhum comentário:

Postar um comentário