segunda-feira, 6 de maio de 2019

H. Orton Wiley sobre o Alcance Universal da Expiação

O trecho seguinte foi retirado do livro Introduction to Christian Theology do Dr. H. Orton Wiley (pp. 234-235):
A expiação é universal. Isso não significa que toda humanidade será salva incondicionalmente, mas que a oferta do sacrifício de Cristo, até agora, satisfez as exigências da lei divina para tornar a salvação uma possibilidade para todos. A redenção é, portanto, universal ou geral em sentido provisional, mas especial ou condicional em sua aplicação no individuo.
É por essa razão que o aspecto universal às vezes é conhecido como a suficiência da expiação. Dois textos bíblicos tomados em relação um com o outro, destacam-se com distinção peculiar. A primeira é a declaração do Nosso Senhor, que o Filho do Homem veio...para dar sua vida em resgate por muitos (Mateus 20.28). A segunda é geralmente considerada ser a última declaração de São Paulo sobre o assunto, e é, evidentemente, uma citação da Escritura anterior, Que deu a si mesmo em resgate por todos (I Timóteo 2.6). Perceba que a cada uma das palavras principais, é dada uma conotação mais forte: a vida torna-se o eu; o preço de compra; o Redentor pessoal; e os muitos, todos.
As passagens da Escritura sobre esse assunto já foi apresentado de uma forma geral e nós temos necessidade aqui de meramente dar referências adicionais. Nós as agrupamos segundo o seguinte esquema simples. (1) Aquelas Escrituras que falam da expiação em termos universais: (João 3.16,17; Romanos 5.8, 18; II Coríntios 5.14,15; I Timóteo 2.4; 4.10; Hebreus 2.9; 10.29; II Pedro 2.1; I João 2.2; 4.14). (2) Aqueles que se referem a proclamação universal do evangelho e suas conquistas: (Mateus 24.14; 28.19; Marcos 16.15; Lucas 24.47; cf. também Marcos 1.15; 16.16; João 3.36; Atos 17.30). (3) Aquelas que declaram distintamente que Cristo morreu por aqueles que podem perecer: (Romanos 14.15; I Coríntios 8.11; Hebreus 10.29).
O Arminianismo com sua ênfase sobre a liberdade moral e a graça preveniente, sempre tem mantido a universalidade da expiação; isto é, como uma provisão para a salvação de todo homem, condicionado a fé. O Calvinismo, por outro lado, pela sua doutrina dos decretos, sua eleição incondicional e sua teoria da satisfação penal, está sempre sob a necessidade de aceitar a ideia de expiação limitada.
Fonte:

By Walson Sales.

Nenhum comentário:

Postar um comentário